SisTHA
Sistema de Treinamento das Habilidades Auditivas
sistha.com.br
Usuário
Senha
» Criar cadastro
O aparelho auditivo  
Esse conteúdo foi útil?
Sim   Não
Você sabia que a perda auditiva é considerada uma doença incapacitante, principalmente na socialização e qualidade de vida da pessoa deficiente auditiva?
Sim, a perda auditiva afeta principalmente o nosso poder de nos comunicarmos.

Quando a perda auditiva acontece, começamos a perceber dificuldades de entendermos o que as pessoas que falam. Por vezes pensamos que a pessoa falou baixo demais e pedimos para repetir. Com o tempo percebemos que há algo errado porque essa dificuldade começa a ser mais frequente.

Para diminuir essas dificuldades de convívio social foi desenvolvido o aparelho auditivo. Com a evolução da tecnologia a cada dia surgem novos aparelhos auditivos com características específicas de tecnologias diferenciadas. Tudo para aumentar o benefício da pessoa que tem dificuldade em ouvir.

A tecnologia empregada nos aparelhos auditivos torna-os sistemas de amplificação poderosos e quando utilizados adequadamente podem diminuir os problemas relacionados à perda auditiva. O aparelho auditivo também é conhecido com as denominações prótese auditiva, dispositivo auditivo, auxiliar da audição ou aparelho de amplificação sonora individual (AASI).

Abaixo você poderá assistir a um vídeo sobre perda auditiva e o aparelho auditivo.

Vídeo - Perda auditiva e o aparelho auditivo



Vídeo: Blasca, W,Q e Campos, K.(2010)

A pessoa que precisa fazer uso do aparelho auditivo nos primeiros dias pode ouvir os sons como se fossem esquisitos ou irritantes, fazendo com que essa fase seja a mais difícil para se adaptar ao uso do aparelho. Por isso é sempre importante dizer ao fonoaudiólogo tudo o que você sentir (dificuldades em ouvir ou se adaptar) com o uso do aparelho auditivo.

O fonoaudiólogo é o profissional que realiza os ajustes necessários no aparelho auditivo para você poder ouvir melhor. É o fonoaudiólogo que programa o aparelho auditivo de acordo com as características da sua perda auditiva (tipo, grau e configuração) e a sua necessidade cotidiana.

A reabilitação auditiva tem como objetivo principal orientar o usuário de aparelho auditivo como reaprender a ouvir por meio do treinamento auditivo, bem como reduzir as barreiras (dificuldades) da comunicação a fim de diminuir possíveis problemas familiares, sociais e no trabalho que podem ser causadas pela perda auditiva. No processo de reabilitação com enfoque no treinamento auditivo para a pessoa reaprender a ouvir com o aparelho auditivo, é necessário haver um relacionamento de parceria entre o fonoaudiólogo e o usuário do aparelho auditivo, além do comprometimento individual de cada um.

Mas como são selecionados os aparelhos auditivos?
Os aparelhos auditivos são selecionados de acordo com cada caso. O especialista considera, principalmente, o tipo e grau de perda auditiva e o tamanho do conduto auditivo externo de cada pessoa. A partir disto, o especialista seleciona a partir de uma enorme variedade de aparelhos auditivos disponível no mercado, de diferentes estilos, recursos tecnológicos e soluções de estéticas.

TIPOS DE APARELHO AUDITIVO


Imagem retirada de: http://www.aparelhosauditivosecia.com.br

Entretanto, todos os aparelhos auditivos possuem, basicamente, os seguintes componentes:
  • Microfone
  • Amplificador
  • Receptor (mini alto falante)
  • Pilha (bateria)
  • Molde auricular




Imagem retirada de: http://portaldosbebes.fob.usp.br

Curiosidade

Assista ao vídeo que aborda o processo de construção de um aparelho auditivo intracanal.



Copyright (C) Discovery Channel.
O conteúdo dessa página web foi atualizado em 25/04/2014.
Responsável técnico: Simone Virginia Vitti, fonoaudióloga.
» Voltar para a página inicial


© 2014 SisTHA Sistema de Treinamento das Habilidades Auditivas. UNIFESP, USP. Acesso em 17/12/2017 às 15:34 @ Windows/200.144.93.238. Visitas #5466.
Grupo de Pesquisa
Saude 360o
saude360.com.br
Pós-graduação
UNIFESP Escola Paulista de Medicina
Gestão e Informática em Saúde
Coparticipação

Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais
Apoio Financeiro
    
FAPESP 2012/05410-0    Universal 480905/2011-8